06 maio 2014

Interlúdio

Estimados, eram o pastor daquela aldeia e sua mulher Isa, que gostavam de contar histórias. A juventude fugia-lhes, o tempo teimava lembrar-lhes…
Para sua filha Pastorisa, efectivamente boa aluna, a hora de partir chegara.
Com a humilde jovialidade e alegria que lhe era inerente, despediu-se de todos e da terra, com sabor amargo na boca e aperto no coração. Jovem, entusiasta, depressa se formou.
Um dia… sem ninguém esperar, Pastorisa voltou, soltando do peito uma história inacabada…

Graça Pinto, 55 anos, Almada

Desafio nº 65 – chamavam-lhe Pastorisa

Sem comentários:

Enviar um comentário