10 janeiro 2016

Crer no amor

Para ele, todos os céus azuis perderam a cor no dia em que encontrou a rua de vermelho, uma cor intensa, gravada nos olhos, que ainda lembram como tingia a chuva e com ela levava tudo o que encontrava por diante, era mais do que uma cor para ele, era uma consideração da vida que passou, de lembranças, de feitos, de esperanças. O temporal lembrava-lhe o fatídico dia, o dia no qual parou de crer no amor.

Jesús Rey Aneiros, Ferrol-Espanha, prof Paula Pessanha Isidoro
Desafio Escritiva nº 3 – texto com: chuva, vento, amor, azul, vermelho e rua

Sem comentários:

Enviar um comentário