10 janeiro 2016

Dinheiro para o comboio...?

Nunca mais me respondeu à mensagem e o número era, claramente, falso. A culpa é minha, eu sei, acreditei que estava realmente em apuros e emprestei-lhe dinheiro para poder chegar a casa nessa mesma noite. Excessiva confiança? Talvez, mas não era a primeira vez que livrava desconhecidos de sufocos e até agora devolviam sempre o dinheiro. Pois, até agora... A desconfiança apoderou-se de mim: serei capaz de acreditar novamente num desconhecido a pedir dinheiro para o comboio?

Paula Pessanha Isidoro, 34 anos, Salamanca
Desafio RS nº 33 – uma história de enganos

Sem comentários:

Enviar um comentário