21 janeiro 2016

E foi assim

Andar, mundo afora... Sem ter sequer hora para voltar.        Fizemos um percurso onde não cabem limites, cruzando milhas, sonhos, decepções, alegras e tristezas. Foi um tempo bom, de chuva e sol, dias e noites onde também não cabem cronômetros, pois que como a vida, tudo é efêmero e tem prazo de validade. Com você foi assim. Uma certa hora há que se fazer o caminho de volta. Conforto dos meus pés, velho companheiro roto e desbotado tênis.

Roseane Ferreira, Estado do Amapá, Macapá, Extremo Norte do Brasil
Desafio Escritiva nº 4 – homenagem às sapatilhas


Sem comentários:

Enviar um comentário