26 janeiro 2016

Olhos suplicantes

A enfermeira ouviu um leve bater de dedos no vidro. Olhou naquela direção, mas só o vazio da outra parede lhe correspondeu o olhar. Continuou então a cuidar dos recém-nascidos.
Ali eram muitos, chegados antes das quarenta semanas determinadas. Os pais, apreensivos, também os avós, eram os que sempre alcançavam ansiosos a barreira transparente.
Tlim-tlim. Desta vez dirigiu-se à janela envidraçada, a tempo de ver uma menininha, que se voltou. Com os olhos suplicantes, perguntava pelo irmãozinho. Chamou-a.

Celina Silva Pereira, 65 anos, Brasília, Brasil
Desafio RS nº 25 – dedos que batem no vidro (cena)


Sem comentários:

Enviar um comentário