12 fevereiro 2016

Pela rua

Caminha pela rua deserta, perdida, sem rumo. Apenas o vento, ousado, interfere, sussurrando uma melodia impercetível.
Uma ténue chuva pulveriza os cabelos soltos que esvoaçam na noite. Lágrimas desprendem-se de uns olhos frios, humedecidos, rolando pelo rosto, preciosas gotas de orvalho.
No horizonte, uma luz vermelha. De repente, um clarão irrompe no céu azul, adensando o misticismo da noite.
A chuva intensifica-se. Joana cai, inerte, na terra molhada, ferida de amor.
Cai o pano. Aplausos, emoção. Luzes.

Joana Marmelo, 50 anos, Cáceres, Espanha

Desafio Escritiva nº 3 – texto com: chuva, vento, amor, azul, vermelho e rua

Sem comentários:

Enviar um comentário