23 fevereiro 2016

Plataforma

Ao chegar, as portas soltaram as gentes apressadas para o seu destino.
Na plataforma, aguardavam outras tantas gentes a chegada que os levaria em sentido inverso numa mistura de tons que se cruzavam como as cores na paleta do pintor, esbatendo-se de gentes apressadas na pressa de chegar.
Ao aviso, fecham-se as portas. Correm gentes atrasadas que acabam por ficar na consulta do inexorável tempo. Esboçam um desespero, a pressa deu em nada. O atraso atrasa tudo.

Paulo Roma, 52 anos, Lisboa

Desafio Escritiva nº 5 – cruzar comboios

Sem comentários:

Enviar um comentário