30 março 2016

A voz que arruma a casa

A casa num caos e eu tão cansada. Os rapazes a desarrumar roupa; eu a ficar com as terminações nervosas ao rubro. Faço advertências, ameaças, chantagem emocional, promessas mentirosas. Nada. Ninguém mexe um alfinete. Então resolvo cantar. Assomam à porta para saber se estou bem, o marido descola-se do sofá.
– Porque cantas? – perguntam-me.
– Porque a casa está muito desarrumada, não tenho tempo para a arrumar e estou nervosa.
E a casa “arrumou-se”. Ah, como é bom desafinar!

Maria José Castro, 56 anos, Azeitão

Desafio Escritiva nº 6 – poderes mágicos no corpo

Sem comentários:

Enviar um comentário