06 março 2016

Esperanças

Aparecia sempre pelas manhãs de sexta-feira. Bem de repente na janela da menina rica, bela e triste. Trazia alegria. Refletia paz. Transmitia energia. Era intrigante e delirante. Fada encantada? Fada idealizada? Fada bendita? Fada divertida? Será? Talvez. Jamais revelada entre dias e dias cada vez mais distantes. A vida da triste menina fez-se festa! Dança vibrante. Beleza permanente. Liberdade para se expressar. Cantiga de melhor ser! Fez viver e reviver esperanças... e era essa a grande magia!

Lia Noronha, 53 anos, Vila Velha, Brasil
Desafio nº 93 – escrever sem O nem U

4 comentários:

  1. Adorando participar dos desafios por aqui!!!
    abraços meus a todos os frequentadores desse blog maravilhoso!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinhos abraçados, lia - espero que se sinta bem aqui connosco!
      Um grande beijinho

      Eliminar