19 março 2016

O fim?

Era o fim para ele.
Desesperada então temia acreditar
A luz sem cor e a dor ali.
Rogou piedosamente.
Quer a cor de novo.
Entristecida esperava.
Um amor de paz…
Irredutível desprezava aqueles sentimentos.
E a moça não quis mais nada.
Talvez encontrando alguém merecedor.
Do amor puro amor que soma e vive ali bem ali.
Dentro naquele fértil coração.
Sem mar de dor.
Amando assim intensamente seguiria estradas tantas.
Até o amor real ser.
Infinitamente brilhe.

Lia Noronha, 53 anos, Vila Velha, Brasil

Desafio RS nº 35 – até 4 letras, mais de 4

Sem comentários:

Enviar um comentário