09 março 2016

Tempestade

A TV estava muda por ora, sim. A tempestade estrondava. Muitas pessoas olhavam silentes. Apertavam-se todas em múltiplos pontos ocultos secos. 
Algum trovão estourava muito próximo. Ônibus se aproximavam todos entupidos.
Maria pegou o seu amado triste, ensopado, mal, perdido. Ouvi só: amanhã teremos este mau pedaço?
O sol agora torra. E muito pouco ouço sobre a tempestade. E meu povo olvida satisfeito a tormenta enquanto mira plantas orvalhadas sobre a terra. Estourem muitas palmas! O sol-aparecido!

Celina Silva Pereira, 65 anos, Brasília, Brasil

Desafio nº 104 – letras obrigatórias: A T E M P O S

Sem comentários:

Enviar um comentário