15 abril 2016

A madrugar

É na dureza da tábua
que se adentra a manhã,
deslizando sem torpor,
sem atrito.
É a madrugada
que roça as pálpebras,
o som do pó nas tábuas,
a noite esquecendo-se
pelas frinchas acima.
Varre, também,
a obsessão do pensamento
ladeado pela demência
das horas lentas,
fincadas no infinito.

A madrugada sopra
de mansinho
a poesia do sonho
legitimado.

É na madrugada
que se assina o pacto
com a luz,
mesmo na dureza
do seu refulgir metálico.

Jaime A., 51 anos, Lisboa

Sem comentários:

Enviar um comentário