30 abril 2016

Clemante

Por vezes, demoramos tanto a abrir a porta do coração que, pela delicadeza de quem bate, com elegância sutil, o tempo para a abertura ainda se torna sempre mais lento de acordo com a nossa vontade própria e caprichosa...
Resultado: quem bateu tão docemente, mesmo não se cansando de nos chamar, fica uma vida toda a esperar e nada da nossa parte...
Ainda bem que o Clemente fica uma vida, se preciso for, a nos chamar delicadamente...

Rosélia Bezerra, 61 anos, Rio de Janeiro, Brasil
Desafio RS nº 25 – dedos que batem no vidro (cena)


Sem comentários:

Enviar um comentário