02 abril 2016

Seria o destino?

Bebiam confidências à hora do chá. Ouvia as contínuas desilusões amorosas da amiga, que seguiam o mesmo padrão: conhecia-o, acreditava nas suas palavras, considerava-o o homem da sua vida, entregava-se e era abandonada. Ela, mais racional, tentando evitar desgostos, aconselhava-a: nem tudo o que parece é! De nada adiantava. A decisão estava tomada. Talvez já tivesse de ser… Depois, vinha a tristeza. Aí sofriam as duas: uma por falta de amor, outra por uma amizade sem fim!

Margarida Leite, 47 anos, Cucujães
Desafio nº 105 – frase de Einstein

Sem comentários:

Enviar um comentário