24 junho 2016

A silhueta

Sentada no sofá, embrulhada e de livro aberto sobre os joelhos, lia as peripécias do amor da Sara e do André. Concentrada no beijo, tremi ao ouvir um leve toque no vidro da sala e vi uma sombra. Não me levantei! Aguardei! Ouvi de novo o mesmo bater leve, quase arrependido de tão lento. Levantei-me, abri a janela e apenas vislumbrei ao longe a silhueta do que me parecia ser o rapaz que conheci na biblioteca ontem.
Fátima Fradique, 41 anos, Fundão

Desafio RS nº 25 – dedos que batem no vidro (cena)

Sem comentários:

Enviar um comentário