11 junho 2016

Um (mau) cálculo de probabilidades

Era provavelmente a milésima vez que chocava com a geometria daquela mesa de vértices afiados. Multiplicaram-se os palavrões silenciosos. Continuou às escuras, tentando subtrair o medo aos passos. Pensava que a probabilidade de encontrá-lo àquela hora era ínfima, mas, claro, o temor não é diretamente proporcional à razão e sabia que a paciência do predador era infinita. Inclinou-se 45º graus, espreitou e sem calcular o resultado final desta operação, acabou, mais uma vez, com a cara lambida.
Paula Cristina Pessanha Isidoro, 35 anos, Salamanca.

Desafio RS nº 38 – a matemática dos dias

Sem comentários:

Enviar um comentário