20 julho 2016

Ai, a prótese...

Cheguei à praia e tentei proteger a minha pele pálida com protetor solar. Procurei na sacola e protestei comigo mesma. Fui ouvida pelo vizinho de praia que me estendeu o seu. Protelei! Ele insistiu. Estendi o braço em sinal de aceitação ausente de protocolos. Enveredámos por um diálogo animado e entre gargalhadas engoli a prótese. Envergonhada, protegi a boca com a mão. Estava eu, ali, protagonista da história que se tornaria hilariante no seu grupo de amigos!
Fátima Fradique, 42 anos, Fundão

Desafio nº 102 – muitas palavras com PROT

Sem comentários:

Enviar um comentário