15 julho 2016

Ó sol ausente

Amanhã, tudo estará melhor, penso ocasionalmente! Saudade! A tua essência marinha persiste! Odor suave! A tua esperança marcou-me profundamente: olhar sempre as trémulas estrelas. Mesmo podendo ouvir sistemáticas advertências em momentos polémicos, olhos sempre as tuas estrelas! Maria, para, ouço severamente a Teresa exprimir! Mulher, para, o Samuel abandonou-te! Tenta esquecer!, murmura para orientar-se. Sinto a tristeza entrar mais profundamente! Ó sol ausente! Temos extintos maravilhosos! Porquê? O sol abandonou-me! Tu eras meu! Perdi os sentidos!

Fátima Fradique, 42 anos, Fundão
Desafio nº 104 – letras obrigatórias: A T E M P O S

Sem comentários:

Enviar um comentário