31 agosto 2016

A tempestade

A tempestade ergueu-se, malquista, parindo o susto. Avançou tenebrosa em morosa, plúmbea, ostentação sonora. As telhas escorregaram molhadas, por ordem, silenciosamente. Aranhas, teias, escadas, mangueiras, perigosamente, oscilaram suspensas. A tenra erva murchou perplexa, oliveiras sufocaram.
A tutinegra encharcada manifestou, piando, obcecado sacudir. Aterrorizada, tentou ensaiar motivos para o salto. Abalançou-se tremendo, esticou-se, movimentou penas, olhou, soltou-se.
Acordou tonta, estendida, machucada por outros solos. Alegrou-se, tinha escapado! Maravilhou-se por ousar superar-se. A tormenta esvaiu-se, marchando para outros sossegos.
Isabel Sousa, 64 anos, Lisboa.

Desafio nº 104 – letras obrigatórias: A T E M P O S

Sem comentários:

Enviar um comentário