03 setembro 2016

Afinal, havia solução

A dor da solidão fazia-o sentir desmembrado. Percebia-se sem solução para o seu problema. Haveria resposta, num qualquer tratado de enigmas? No seu refúgio, com a ajuda de um martelo e escopro, dava vida a um pedaço de mármore. Tentava enganar o vazio do tempo. Repentinamente, o rosto que cinzelava caiu. No âmago da peça partida… uma rosa petrificada, com um único espinho. Afinal a solidão não existia se nos permitirmos olhar a magnificente beleza da natureza.
Amélia Meireles, 63 anos, Ponta Delgada
Desafio nº 110 – 8 palavras obrigatórias

Sem comentários:

Enviar um comentário