06 setembro 2016

Linhas paralelas

Sentaram-se naquele canto do café. Observei-os. Ela tinha um rosto triste, distante. Ele, indiferente, lia o jornal esquecido. Identifiquei-me com eles. Imaginei as nossas vidas como linhas paralelas. Talvez ela, como eu, sonhasse aquele ponto, no horizonte, onde as linhas se encontrassem. Desenhei, num papel, uma escada. Compreendi: duas linhas paralelas não se encontram, apenas no infinito, nunca em tão curtas vidas. Por isso, a única forma de as unir são as pontes que por elas atravessam.
Isabel Sousa, 64 anos, Lisboa.

Desafio Escritiva nº 5 – cruzar comboios

Sem comentários:

Enviar um comentário