20 setembro 2016

Que confusões!

Eram, precisamente, seis horas da manhã. Estava um amontoado de gente à porta do edifício azul claro. O Zé Manuel, finalmente, havia sido encontrado são e salvo. Nunca cheguei a perceber o porquê de ele se ter magoado. Seria devido à fusão das duas empresas? Era muito estranho, mas não me admirava nada. Hoje em dia, qualquer coisinha é logo uma grandessíssima confusão
No meu tempo não havia nada disso. Não me lembro nem de uma confusãozinha!
Carolina Constância, 23 anos, S. Miguel, Açores
Desafio nº 27 – palavras que crescem (em anagrama)

Sem comentários:

Enviar um comentário