07 setembro 2016

Tratado

Problema imenso, dividia a família em duas bandas sem se encontrar solução. Pensou-se no martelo do juiz.
Pretendiam armar uma ponte que unisse dois lados que não podiam se encontrar. O espinho da saudade ferroava. Por que não se verem? Ninguém entendia, enquanto justificativas cresciam sem medida, e não se encontrava fundamento para elas.
Um refúgio foram as orações. Depois o magistrado construiu um tratado de paz desmembrado de uma sentença. Uma rosa marcou o primeiro encontro.
Celina Silva Pereira, 65 anos, Brasília, Brasil.

Desafio nº 110 – 8 palavras obrigatórias

Sem comentários:

Enviar um comentário