07 novembro 2016

Morte

“Não se esqueça de viver a vida como se cada momento fosse o último.  
Alguém que viveu na época de 1850 está-lhe muito grato por ter pegado na garrafa e ter lido esta mensagem. Só queria viver um bocadinho mais na mente de alguém após morrer e parece-me que finalmente o consegui.” 
Depois de ler a mensagem percebeu com inquietação que havia uma coisa que não tinha trocado com o passar do tempo: a certeza da morte. 
Cristina Isabel de Miguel Martínez, 21 anos, León, prof Paula Pessanha Isidoro (USAL)

Desafio Escritiva nº 11 – mensagem na garrafa

Sem comentários:

Enviar um comentário