08 dezembro 2016

Esquina em aramista menor

É na esquina dos meus pensamentos
que te espero,
espuma fugidia
trapézio imóvel;
gabas-te do quanto deslizaste,
do quanto me fizeste confiar,
das palavras que sumiste de mim;
foste o resquício,
o travo doce,
o fugaz negrume, 
conforto de um funâmbulo,
toda a duplicidade 
deste triunfo a que chamo "eu".

Talvez não me creias assim.
Não percorro as gélidas
cordas de aço
sem um caos delicioso;
sou eu que estou ali:
entre dois planos,
perpendiculares ou paralelos.
Jaime A., 52 anos, Lisboa
mais textos em www.soprodivino.blogspot.com

Sem comentários:

Enviar um comentário