13 dezembro 2016

Táxi

Era uma sexta-feira e nós íamos para casa porque eram férias. A minha amiga apanhava o autocarro às 12 da manhã. Às onze e meia fui acordá-la e ela não acreditava, saímos da residência e ela apanhou um táxi, mas quando me apercebi tinha o bilhete dela nas minhas mãos. Tive que sair a correr como se não houvesse manhã, muito acelerada, mas como não ia chegar a tempo assim que tive mesmo que apanhar um táxi.
Pilar Peñalver, Salamanca, 19 anos, prof Paula Pessanha Isidoro

Desafio Escritiva nº 13 – recordes pessoais

Sem comentários:

Enviar um comentário