20 dezembro 2016

Vontades Poucas

Àquela hora o pátio da escola era uma enorme praça que de repente se enchia, após o toque para intervalo. Passarinhos desengaiolados, os alunos batiam asas, chilreavam em várias oitavas, saboreavam pequenas guloseimas. Liberdade curta, mas liberdade. Lépidos, radiantes, aproveitavam a posse do tempo.
A luz faltou. Aulas interrompidas, intervalo prolongado. Pensou-se que as duas colegas e amigas amuadas, fizessem as pazes. Mas não. O tempo a mais, afinal, não ajudou.
Há sempre estórias com finais adiados...
Elisabeth Oliveira Janeiro, 72 anos, Lisboa

Desafio RS nº 44 – reflexão em 44, contrário em 33

Sem comentários:

Enviar um comentário