03 fevereiro 2017

Meu avô

Abel Vaz, com o suor a queimar a pele, lança os gemidos na ponta da enxada. Já sol ia alto, quando o corpo fraquejou, caminhou de mãos vazias, em direcção à mesa cheia de filhos famintos.
― Ó homem atravessaste a procissão todo sujo e d’inchada às costas?
― Ó mulher, eles vão no caminho deles... eu vou no meu...
Maria rebolou a noite toda em busca do perdão divino. 
Dia seguinte, Abel caminhou para a fábrica na cidade...
Eurídice Rocha, 50 anos, Coimbra

Desafio nº 115 – frase de Valter Hugo Mãe

Sem comentários:

Enviar um comentário