03 fevereiro 2017

Mudar

Acordou com o sol impertinente a agredir-lhe o rosto queimado, como já acontecia há meses. Desde que perdera tudo, a praia era a sua casa.
Maldita bebida, maldito jogo, malditos todos os vícios!
Teve sorte. Naquele dia, um ser misericordioso (parecia ter caído do céu!) viu-o e estendeu-lhe uma mão.
― Queres mudar? – perguntou-lhe, apenas.
No dia seguinte, Rafael iria mudar o rumo da sua vida. Entretanto, esperou pelo sono. Talvez lhe trouxesse a paz há muito fugida.
Ana Paula Oliveira, 56 anos, S. João da Madeira

Desafio nº 115 – frase de Valter Hugo Mãe

Sem comentários:

Enviar um comentário