21 fevereiro 2017

O mar dos meus olhos

Um áspero e ríspido vento
carregado de lembranças e salitre
empanou a saudosa limpidez
do mar dos meus olhos.
E tudo à minha volta
se cobriu de densa névoa
e de uma enorme massa
de nuvens grisalhas
que tingiram de preto
as suas águas prateadas.
Contudo, no meio daquela escuridão,
lentamente se desfez ao correr
uma forte vaga espumosa
que, como um raio de sol ao entardecer,
encheu de alegres sons
e tristes risos
a minha solidão.
Mónica Marcos Celestino, 43 anos, Escuela Oficial de Idiomas, Salamanca (Espanha)

Desafio nº 115 – frase de Valter Hugo Mãe

Sem comentários:

Enviar um comentário