26 fevereiro 2017

Solidão perfumada

Nos passeios matinais, Justina encontra os estropiados que pedem auxílio. Anseiam o seu toque, fica insegura, remete-os para a intervenção divina.
Os convencidos expressam sentimentos turvos, deixando-a pensativa. Os fanfarrões nem se apercebem de Justina, mesmo em frente deles.
Os passeios prolongam-se, a diversidade dos estados de alma também. Os ressuscitados deixam-na prostrada, foram crucificados, mas inventam e declamam poemas ― fica estupefacta.
No final da caminhada, o perfume das flores acalma-a, acompanhando-a até ao final do dia.  
Fernanda Costa, 55 anos, Alcobaça
Desafio nº 109 – solidão no meio de gente

Sem comentários:

Enviar um comentário