23 fevereiro 2017

Vai

Não quero.
Já disse, não vou.
Tu sabes que eu não posso.
Vá lá, deixa-me ficar em casa a ler.
Sabes que me faz mal estar com pessoas tão chatas.
É melhor ir para a cama, acho que estou a ficar doente.
Já é tarde.
Eu vou tentar explicar melhor:
Cada vez que me obrigas a ir,
Parte de mim morre, deixo de ser quem sou.
Vai, e não vale a pena procurares o caminho de volta.
Filomena Afonso Mourinho, 43 anos, Serpa

Desafio RS nº 32 – a arte de dizer não

Sem comentários:

Enviar um comentário