18 março 2017

Mireille Amaral ― desafio nº 45

Nunca houve desmedidas demonstrações de afetividade. Os nossos feitios eram tão divergentes! Mas sempre tivemos um carinho grande uma pela outra. Diria mesmo que tínhamos uma cumplicidade reservada.

Sinto desalento de saber que o nosso homenzinho não vai ser adolescente nem adulto na sua companhia.
No leito da morte, segredei-lhe a gratidão que tenho por me ter “dado” o amor da minha vida.
Que melancolia ter (pres)sentido, “abrace-me, porque este é o último abraço que me dá”.
Mireille Amaral, 41 anos, Gondomar
Desafio nº 45 – emoções por ordem alfabética

(nota: baseado numa frase de A. Lobo Antunes

Sem comentários:

Enviar um comentário