24 agosto 2017

Maria do Céu Ferreira ― desafio nº 120

Destino
Relâmpagos e estalidos,
Clarões na rua deserta,
Céu negro, alguns gemidos,
Mas nenhuma porta aberta…

Perdera rumo e Norte,
O carro na enxurrada,
Já não tinha passaporte,
Parecia uma emboscada!...

Até que algo o tocou
No meio da escuridão,
Um raio que aclarou,
Alguém que estendeu a mão…

Era o seu petiz querido,
Arrastado pelo chão…
E aquele baque e gemido
Tocaram-lhe o coração…

Ia entregar o menino,
Raptado com ousadia,
Tempestade no destino
Aplacou-lhe a rebeldia…
Maria do Céu Ferreira, 62 anos, Amarante

Desafio nº 120 ― reencontrar o caminho sem V nem F

Sem comentários:

Enviar um comentário