16 outubro 2017

Rodrigo Oliveira ― desafio 23

Era uma vez um leitão casado com uma rolha. Um dia estava a esmagar nozes com o almofariz para comer, pois era hora de jantar. Foram dormir, e de manhã toca o despertador e lá foram jogar com a sua bola de ténis. Quando estavam a chegar a casa viram uma vespa que a picou. A rolha ficou triste por o leitão não a ter protegido. Então ele resolveu escrever um papel de amor para a rolha.
Rodrigo Oliveira, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix
Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel


Leonor Pedrosa ― desafio 23

Em um dia bonito,
O leitão não pode faltar!
Eu ainda nem lá cheguei
E já se ouve a rolha do vinho a saltar!

No almofariz a broa moída,
O despertador já calado.
A bola de ténis do meu amigo
Fez uma vespa cair para o lado!

Eu já voando como um papel ao vento,
Saboreando a minha bela refeição,
Ficando assim marcado
Como o dia do leitão.

O melhor alimento
Para saberem
O que é suculento!
Leonor Pedrosa, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix

Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel

Paula Castanheira ― desafio 127

Dona Estrela era mestre na arte de contar histórias
Estrada fora, corria as aldeias do distrito, sem estratégia, mas com enorme destreza, misturava vidas de ilustres guerreiros, astros do cinema, estripadoresestranhos desconhecidos e lá ia distribuindo felicidade a quem a ouvia.
Todos ansiavam pela sua visita, escutá-la era bálsamo para qualquer alma dorida.
Naquela manhã o famoso Castro telefonou-lhe, queria-a no seu programa de televisão.
Atirou o telefone com estrondo e correu a contar a novidade!
Paula Castanheira, 53 anos, Massamá
Desafio nº 127 – stra, stre, stri e stro x 3

Beatriz Lourenço ― desafio 23

Era uma vez um leitão que queria beber, mas havia uma rolha que não o deixava. Entretanto começou a ficar com dores de garganta e foi buscar um comprimido. Como não consegue engolir o comprimido inteiro, pegou no almofariz e esmagou-o. Entretanto foi descansar e passando algum tempo o despertador tocou e ele acordou e viu que estava em cima dele uma bola de ténis que foi a vespa que trouxe com o seu avião de papel.
Beatriz Lourenço, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix

Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel

Amélia Meireles ― escritiva 24

Era uma vez uma carochinha a quem tinha saído o totoloto. Rica, mas desamparada, colocou anúncio no facebook. Teve muitos likes, mas ninguém se apaixonou. A foto não revelava a riqueza que possuía. Desesperada, pôs-se à janela, gritando que era rica. João, amigo de boa comida, apareceu! Até se apaixonaram de verdade, ainda que houvesse algumas dúvidas. Naquele dia, João mais amigo da comida que do dinheiro, deixou-se ficar no restaurante, esquecendo-se da sua amada no altar.
Amélia Meireles, 64 anos, Ponta Delgada
Escritiva nº 24 - mini histórias da infância


João Torres ― desafio 23

A minha avó faz um leitão delicioso.
Numa garrafa com rolha guarda um tempero que mistura com umas ervas que tritura num almofariz. Ela usa o despertador para controlar o tempo que o leitão está no forno.
Este domingo fui almoçar a sua casa. No quintal brincava com uma bola de ténis quando ela me chamou para a mesa. Fui mais rápido que uma vespa a sentar-me. E usei um guardanapo de papel para não me sujar.
João Torres, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix
Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel



Amélia Meireles ― desafio 126

Amava-o desmesuradamente e talvez isso justificasse o seu viver descontínuo. Sentia-se intermitente. Sentia-se dona do mundo quando Gil estava no seu melhor. O quotidiano era de uma inquietante harmonia que a fazia acreditar ter encontrado a sua alma gémea. Porém, quando bebia, por razões que nunca entendeu, era a pessoa mais aterrorizante que conhecera. O terror, pintado pela raiva e pelo incerto venceu e, apesar de ter períodos de magia e plenitude, separou-se de quem tanto amava.
Amélia Meireles, 64 anos, Ponta Delgada
Desafio nº 126 – sentia-se intermitente


Gonçalo Moreira ― desafio 23

O José tem um leitão que adora brincar com uma rolha. A Paula está na cozinha a esmagar cebolas num almofariz. De repente o despertador toca!
― É hora de jogar! ― disse o João.
― Já trouxe a bola de ténis ― disse o irmão do José.
Já tinham chegado ao campo, estava um calor desgraçado e lá no fundo do campo havia uma vespa.
A vespa chocou contra o José e ele disse:
― A vespa afinal era feita de papel!
Gonçalo Moreira, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix

Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel

Amélia Meireles ― desafio 127

A vida tinha-lhe castrado todos os sonhos. A sua cabeça era um estrilho de imagens sem sentido. Naquele ambiente campestre, viu-se desejando reerguer-se. Atrás de si havia um lastro de infelicidade. No seu cadastro sobressaíam tragédias. Olhou para o astro rei e invejou-lhe o brilho. A esperança restrita parecia anunciar a estrada da libertação. Ainda que prostrada, usando a frustre vontade de se erguer, fincou-se no estribo e fez-se mestre do seu destino. Desejava tanto ser feliz…
Amélia Meireles, 64 anos, Ponta Delgada

Desafio nº 127 – stra, stre, stri e stro x 3

André Fernandes ― desafio 23

O Miguel tem uma quinta no campo.
Nessa quinta existe um pequeno leitão chamado Rolhas. 
Certa madrugada fria, o Miguel acordou com um som estranho.
Furioso por ser tão cedo, pegou no almofariz e esmagou o despertador que o acordou.
Tomou café e abriu a porta.
O Rolhas aproximou-se dele e o Miguel lançou-lhe uma bola de ténis e ele correu atrás dela.
De repente, uma vespa entrou em casa e o Miguel matou-a com um papel.
André Fernandes, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix
Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel


Programas Rádio Sim - semana 16 Outubro 2017

Todos os programas, sempre com Helena Almeida e Inês Carneiro, 

nas Giras e Discos, podem ouvir-se aqui (ou pelos links que estão em baixo).


Indicativo do programa:








- Música e letra: Margarida Fonseca Santos; 
Arranjos, direcção musical, piano e voz: Francisco Cardoso
- Histórias de Cantar CD - Conta Reconta

Horário na Rádio Sim - 17h45, todos os dias

Quer saber que histórias foram lidas? Vá por aqui:

15 outubro 2017

Laura Garcez – desafio RS 35

Este doce ar, este bem ― ri para nós!
Brisa outonal, laranja, silenciosa, delicada!
Vem, traz o pano, e diz:
― Aquieta-te, chora devagarinho! ― correm lágrimas sublimes!
Logo vão, já nem se veem.
Beijam-te, acariciam-te, desaparecem!
Este ar fala, gira, roga, mas é à toa.
Relata, sensibiliza, impressiona, relembra-nos…
Mas, em cada bafo, diz que não é nada.
Lentamente confunde-nos ― tornando-nos mudos, sisudos.
Para logo, nos doar toda a sua luz.
Abençoando-nos, tornando-nos igualmente divinos,
Tal como no Céu!
Laura Garcez, 44 anos, Lisboa
Desafio RS nº 35 – até 4 letras, mais de 4


14 outubro 2017

Silvio Cosco ― escritiva 23

Se gosta de História, ver onde nasceu Portugal, visitar um Castelo e um Palácio impressionantes, uma cidade muito dinâmica, mas com um centro histórico cheio de monumentos, Guimarães é um ótimo destino. Se procurar também festa e folclore, escolha ir em agosto: não perca o desfile de carros alegóricos das Festas Gualterianas. Aproveite o incrível panorama da cidade desde o Santuário da Nossa Senhora da Penha. E prove um copo de vinho verde da zona. Boa viagem!
Silvio Cosco, 33 anos, Roma/Mérida
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem


Leonor Pedrosa – desafio 23

Em um dia bonito,
O leitão não pode faltar!
Eu ainda nem lá cheguei
E já se ouve a rolha do vinho a saltar!

No almofariz a broa moída,
O despertador já calado.
A bola de ténis do meu amigo
Fez uma vespa cair para o lado!

Eu já voando como um papel ao vento,
Saboreando a minha bela refeição,
Ficando assim marcado
Como o dia do leitão.

O melhor alimento
Para saberem
O que é suculento!
Leonor Pedrosa, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix
Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel


Raquel Fidalgo Rodríguez ― escritiva 10

Ninchi é qualquer um e ninguém. Ninchi é o velho que toma o café com cheirinho no bar, o homem que vai, o que volta, o que erra, o menino que brinca na rua. Ninchi não tem idade. Ninchi mora em Fermoselle, nos Arribes do Douro. Ninchi é um vocativo provinciano e fofoqueiro: Ninchi, o que é que estás a tomar? Onde é que vais? De onde é que voltas? O que é que estás a fazer?
Raquel Fidalgo Rodríguez, Salamanca
Desafio Escritiva nº 10 ― definições criativas


Vincent Kiepsch ― escritiva 23

Estive em Veneza este verão e a cidade é tão linda: tem muitos edifícios bonitos, tem a melhor massa que jamais comi na vida e, sobretudo, tem ruas que são canais.
No entanto, todas as coisas são muito caras, os canais são sujos e nalgumas partes da cidade o cheiro é terrível.
Quando estive lá, visitei a galeria da Peggy Guggenheim que é incrível porque tem pinturas de Picasso, Dalí, Max Ernst e Andy Warhol entre outros.
Vincent Kiepsch, 19 anos, Alemanha
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem

Beatriz Lourenço – desafio 23

Era uma vez um leitão que queria beber, mas havia uma rolha que não o deixava. Entretanto começou a ficar com dores de garganta e foi buscar um comprimido. Como não consegue engolir o comprimido inteiro, pegou no almofariz e esmagou-o. Entretanto foi descansar e passando algum tempo o despertador tocou e ele acordou e viu que estava em cima dele uma bola de ténis que foi a vespa que trouxe com o seu avião de papel.
Beatriz Lourenço, 6ºA, Escola Dr. Costa Matos, prof Cristina Félix
Desafio nº 23 – percurso de palavras obrigatório: leitão + rolha + almofariz + despertador + bola de ténis + vespa + papel


José Cáceres Merino ― escritiva 23

Toda a gente gosta de passar uns dias de verão em plena natureza, mas nem todos podem. Se você tem a sorte de poder fazê-lo, aproveite o momento e visite um lugar onde poderá banhar-se nos rios e fazer caminhadas pelo monte, além de descobrir as aldeias que a montanha tem escondidas para si. Trata-se da comarca de La Vera, a só uma hora da fronteira com Portugal! Pegue no carro e desfrute com toda a família.
José Cáceres Merino, 19 anos, Cáceres.
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem


Mª Ángeles, Irene, Mamen, Pilar ― escritiva 10

As minhas amigas e eu decidimos fazer uma viagem pela costa Portuguesa. Estivemos na cidade de Faro e ali alugámos uma caravana para ir a Sagres, no trajeto tivemos que trocar a roda e quando abrimos a mala do carro demo-nos conta de que não tínhamos nem as nossas malas nem a roda, tivemos que andar até uma estação de serviço por um caminho de terra e um calor sufocante, quando chegamos o nosso aspeto era “zarrapastroso*”.
Mª Ángeles Gil Iglesias, Irene Canduela Pérez, Mamen Hernández Barroso, Pilar Peñalver Pumariño, Salamanca
*Que presenta un aspecto muy poco aseado, viste con ropa sucia, rota o vieja, o descuida el aseo y arreglo de sus cosas.
Desafio Escritiva nº 10 ― definições criativas


Eduardo Acebedo Nicolás ― escritiva 23

Sendo uma cidade de extremos, a sua visita a Atlanta pode ser uma das melhores ou uma das piores experiências da sua vida. É verdade que a cidade tem muitos atrativos com megaempresas, como Coca-Cola, estabelecidas lá e com os seus museus. Além disso, os desportos têm muita popularidade por causa dos Jogos Olímpicos de 1996. Contudo, a cidade pode ser um pouco difícil de atravessar porque construiu-se na horizontal. Isto torna o uso do carro obrigatório.
Eduardo Acebedo Nicolás, Salamanca, 19 anos.
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem


Susana Sofia Miranda Santos – escritiva 15

Mimi desejava confeccionar um bolo de chocolate para a sobremesa da netinha, mas concluiu que lhe faltava chocolate em pó.
Que desgraça... queria oferecer um miminho a Catarina, mas a doença de Parkinson dificultava a sua mobilidade, além de que o supermercado estaria lotado e a menina chegaria em breve.
Assim, decidiu alterar os planos... faria um pudim de mel.
Somente carecia de ovos, açúcar, mel, limão, manteiga e farinha, dispondo dos ingredientes necessários.
Catarina irá adorar!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio Escritiva nº 15 – falta um ingrediente e o jantar é dali a nada…


Clara Valcárcel ― escritiva 23

León
O habitual no verão é passar o tempo na praia, mas o interior da Península Ibérica tem autênticos tesouros. Um deles é León, em Castilla y León. A cidade tem muito ambiente, a vida nocturna no “Barrio Húmedo” é diferente, mas, se prefere, pode provar as famosas “tapas”, são grátis! Também há um turismo rural muito importante. A cordilheira cantábrica fica perto e é impressionante, mas não é boa ideia ir sozinho, as pessoas são muito fechadas.
Clara Valcárcel, 19 anos, Salamanca
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem


Clara Bezerra Souto ― escritiva 17

Em tempos de respostas imediatas, é quase um crime sair de casa sem o telemóvel. Tornaram-se frequentes as desculpas tecnológicas: “a internet falhou”, “não tinha cobertura”, “o telemóvel estava em silêncio”. Mas nada supera o que ouvi do meu filho esta semana: “Mãe, não consegui enviar-te a mensagem. Parece-me que havia algum problema com o satélite, a transmissão das ondas, algo com a interferência dos raios solares... Juro-te, juro-te que apareceu essa mensagem no ecrã do computador!”.
Clara Bezerra Souto, 28 anos, Salamanca
Desafio Escritiva nº 17 – desculpas criativas


Susana Sofia Miranda Santos – escritiva 2

Hoje, após comprar champagne para a festa, percebi que o frigorífico, revoltado, decretara greve, afirmando ser um electrodoméstico possuidor de coração caloroso. Já estava cansado de frio perpétuo.
Não reivindicava dinheiro, presentes, afagos... somente ambicionava calor.
Se adorasse gelo, viveria no Pólo Norte.
Contudo, se rejeitasse trocá-lo de lugar com o micro-ondas, viajaria para o Brasil.
Já estava a ficar desesperado... de repente, acordo.
Ainda bem que foi apenas um pesadelo. Caso contrário, como solucionaria este problema?
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio Escritiva nº 2 – greve na cozinha


Claudia Fernández Cores ― escritiva 23

As Pantortillas de Reinosa
Para quem gosta de passar uns dias de verão num lugar mais frio, Reinosa é o lugar perfeito para isso. Além disso, a gastronomia e o frio são um casal maravilhoso. Poderá comer pratos quentes, mas é obrigatório provar as “Pantortillas”: um produto típico, delicioso e artesanal, que agrada a todos.
As visitas ao pântano e à nascente do rio Ebro são obrigatórias para quem quiser desfrutam de praticar desporto de aventura tendo paisagens impressionantes de cenário.
Claudia Fernández Cores, 19 anos, Salamanca
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem


Isabel Cristina Barberedo Pinto ― escritiva 17

Há muito tempo, decidi começar uma vida saudável e fazer desporto todos os dias, mas todos os dias há um problema.  Alguns dias a chuva não me deixa sair à rua para correr... Noutros, o supermercado está fechado e não posso comprar fruta, verduras, saladas...  Noutros, não faço desporto porque o meu horóscopo me diz que posso partir uma perna e morrer...
É pena eu não levar uma vida mais saudável, mas acho que amanhã recomeço tudo.
Isabel Cristina Barberedo Pinto, 18 anos, Salamanca
Desafio Escritiva nº 17 – desculpas criativas


Susana Sofia Miranda Santos – escritiva 19

Comecei a minha vida sendo um gigantesco livro de colorir.
Gina, a educadora de infância, ofereceu-me à sua filha e, carinhosamente, na sua companhia, coloriu com dezenas de marcadores os meus desenhos. Através da pintura, mãe e filha evidenciavam afecto mútuo.
Posteriormente, Gina levou-me para a creche, recortando as minhas páginas para construir chapéus para uma festa divertida!
Quando a festa terminar os chapéus irão para o lixo.
Após a reciclagem, qual será o meu novo destino?
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio Escritiva nº 19 ― vidas passadas de objetos


Iván del Rey Castillo ― escritiva 23

Verona considera-se a cidade do amor e com razão, porque quando chegas ficas enamorado, mas, na minha opinião, não é a típica cidade da qual te enamoras pela beleza ou a grandeza dum monumento concreto, mas sim pela sua totalidade. Sim, é verdade que estão lá a Areia e a casa da Julieta, mas só caminhando pelas ruas observas como é mágica. Podes visitar a catedral, navegar pelo rio, ou ver a cidade desde o teatro romano.
Iván del Rey Castillo, 19 anos, Salamanca
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem


Carla Silva - desafio 126

Intermitências
Sob a luz trémula o espelho devolve-lhe um reflexo cansado. A frustração apodera-se dela ao ver-se.
Milo partira há imenso tempo e desde esse fatídico dia que se sentia… Como se sentia!? Não sabia ao certo.
Era um misto de tristeza, agonia, até vergonha ao recordar como fora idiota.
Como não percebera que a usara!?
Fora descartada tão facilmente como seria aquela lâmpada ao queimar-se.
Olhou a lâmpada que piscava. Era assim que se sentia… sentia-se intermitente!
Carla Silva, 43 anos, Barbacena, Elvas
Desafio nº 126 – sentia-se intermitente


13 outubro 2017

Alicia Pérez Vicente ― escritiva 23

Farnham (Londres)
É uma pequena cidade a uma hora de Londres, mas você precisa de apanhar dois comboios, porque o primeiro não é direto. Quando você chega, tem que subir uma rua muito inclinada. Há muita natureza e o clima é um pouco frio, como no resto da Inglaterra. O centro da cidade é como as típicas cidades clássicas que nós podemos ver nos filmes. Também há muitos cafés onde você pode ler silenciosamente. As pessoas são muito amáveis.
Alicia Pérez Vicente, 19 anos, Salamanca

Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem

Ana Belén Crespo Marcos ― escritiva 10

Apapachar é um abraço muito mais carinhoso e quente, é semelhante à “saudade” portuguesa. Não tem tradução fiel noutra língua.
Apapachar tem um significado muito mais profundo para os aztecas; para eles a palavra “papachoa” significava abraçar ou acariciar a alma.
Para mim, essa palavra significa levar as pessoas que eu mais quero e deixar o meu calor cobri-los. Sentir a satisfação e vertigem de que as almas estão interligadas em algo tão simples como um abraço.
Ana Belén Crespo Marcos, 19 anos, Salamanca.
Desafio Escritiva nº 10 ― definições criativas


Iván del Rey Castillo ― escritiva 17

“Boa tarde senhora Santos! Escrevo-lhe porque não tenho coragem de voltar a sua casa depois disto que lhe vou contar, apesar de que, se está a ler esta mensagem, já sabe o que aconteceu... Quando estava a alimentar as galinhas da segunda gaiola, esqueci-me de fechar bem a primeira e receio que todas as galinhas tenham fugido. Por desgraça, o cão estava solto e, podemos dizer que... nunca um cão comeu tão bem. Sinto muito o sucedido.”
Iván del Rey Castillo, 18 anos, Salamanca
Desafio Escritiva nº 17 – desculpas criativas


Renato, 4° B, EB de Galveias – desafio 127

O rapaz do estrogonofe
Era uma vez um rapaz que adorava comer estrogonofe. Um dia apareceu uma ostra viva a comer estrogonofe e ele disse-lhe:
― Eu sou o mestre da culinária entrega-me a estrela lendária do astronauta ou atiro-te à estrada.
 E então a ostra perguntou-lhe:
― Não queres jogar bowling antes de eu morrer? Eu posso fazer um último strike!
E o rapaz respondeu:
― Ok.
Voltando o stress, então o rapaz disse:
― Ostra és tão desastrada. Andas a distribuir estrofes estridentes!!!
Renato, 4° B, EB de Galveias, professora Carmo Silva

Desafio nº 127 – stra, stre, stri e stro x 3

Theo De Bakkere – desafio 127

No lustroso teatro estreia-se 'A Bela e o Monstro'. Promete ser um espetáculo, tanto no palco como naqueles balcões de balaustradas douradas, ali a coquete sociedade próspera mostrar-se-ia com pompa a todos. Mesmo o burgomestre estará presente para distribuir, na presença de oficiais dos distritos, um prémio às estrelas do musical.
Aplauso, o maestro da orquestra apresentou-se. Estritamente, às 20:00, três marteladas. Sentado na minha poltrona de pelúcia de estrias douradas, o espetáculo deslocou-se para o palco.
Theo De Bakkere, 65 anos,Antuérpia, Bélgica
Desafio nº 127 – stra, stre, stri e stro x 3

Lara, EB de Galveias – desafio 127

O mestre Renato
Certo dia, o mestre Renato estava a fazer um estrogonofe. Depois de comer o seu estrogonofe foi dar um passeio no jardim do parque. Passou a estrada e chegou ao parque.
No parque estava a haver uma distribuição de jornais.
O mestre Renato, quando estava a ver as pessoas a distribuírem os jornais, conheceu uma pessoa e foi mostrar a sua estratégia no strike.
De noite pareceu-lhe ver uma estrela a destrocar um astro, mas com stress.
Lara, 4° B, EB de Galveias, professora Carmo Silva
Desafio nº 127 – stra, stre, stri e stro x 3


Domingos Correia – escritiva 4

Sapatilhas de cinquentão
Aos cinquenta, queria umas sapatilhas que o fossem sem o parecerem e que dessem para tudo.
Encontrei-as, finalmente!
Já estão velhinhas, gastas, desbotadas, mas… são tão confortáveis que não consigo largá-las. Eu sei que muitos me olham os pés, de soslaio… tecendo conjeturas… Não quero saber. Com calçado novo ou velho, nunca gostei que me olhassem os pés. Acho falta de delicadeza.
Por isso… julguem-me, critiquem-me, se quiserem, mas amo-as tanto que não as largarei por nada.
Domingos Correia, 59 anos, Amarante
Desafio Escritiva nº 4 – homenagem às sapatilhas


3°/4° B, EB de Galveias – desafio 127

O menino desastrado
Numa noite de céu estrelado, um menino desastrado caiu da cama e partiu o nariz.
De manhã, foi ter com um cigano para ele lhe destrocar dinheiro. Este deu-lhe com uma ostra na cabeça.
― Que estranho! O mestre passou-se da cabeça! ― pensou ele.
À tarde foi jogar bowling e fez um strike. Deixou cair uma bola em cima do pé e até viu estrelas. Ouviu-se uma voz estridente. Era um astronauta a fazer a distribuição de estrofes!
3°/4° B, EB de Galveias, professora Carmo Silva
Desafio nº 127 – stra, stre, stri e stro x 3


Susana Sofia Miranda Santos – desafio 69

Pedro, seu irmão, tinha conhecimento que amava Cristina desde o início da história, com sinceridade. Não era um ligeiro romance de adolescentes.
Contudo, sem hesitação e cruelmente, assaltou o coração da mulher que lhe tinha prometido fidelidade.
Esta tarde, André tinha pensado ardilosamente na desforra.
Entrou sorrateiramente pela janela aberta no quarto do irmão, ateando-lhe fogo, furtando todos os panos para que nada estancasse este incêndio.
Somente desejava justiça ― ainda nada estancara a dor da sua alma!
Susana Sofia Miranda Santos, 38 anos, Porto
Desafio nº 69 – lista de palavras, onde se inclui desforra


Eleanor Megan Stone ― escritiva 23

Umas férias na Austrália são imprescindíveis.  A maior cidade é Sydney onde se encontra a famosa Casa da Ópera.  Há muitas atividades que pode fazer.  As praias, com areia branca, são um lugar que não se esquece.  Se não gosta da praia, pode visitar as Montanhas Azuis.  Ali vai encontrar o funicular e a natureza incrível da Austrália. Pode ouvir os risos das kookaburras. Para as pessoas que não estão acostumadas ao sol lembrem-se do protector solar!
Eleanor Megan Stone, 19 anos, Reino Unido
Escritiva nº 23 – recomendar um destino, guias de viagem