21 fevereiro 2018

Elena e Lucía ― escritiva 29


Uma bela garrafa de champanhe foi aberta no Reveillon e separada da sua rolha e depois do champanhe. Ao princípio, sentia-se muito bem consigo mesma porque toda a gente estava a desfrutar com ela, mas depois, quando a festa acabou, começou a sentir-se vazia, sozinha, desgraçada e desolada. Por isso, só  queria chorar. Depois de muito tempo a pensar, ela deu-se conta de que fora humilhada e utilizada e enfureceu-se. Depressiva, decidiu atirar-se da mesa para morrer.
Elena Pereira Romero e Lucía Morante Parada, 18 anos, Salamanca, prof Paula Isidoro
Escritiva nº 29 – história de amor de objetos


Sem comentários:

Enviar um comentário