09 fevereiro 2016

Mãe

Disseram-lhe que devia calar. Que acordar os deuses com palavras inúteis, desata tragédias incuráveis. E calou.
Entretanto a vida cresceu e passou, num mundo de histórias não contadas. 
Agora, nesse lugar a que ironias descaradas deram o nome de lar, descobriu que o silêncio matricial não era, afinal, a verdade. 
Mas agora… as histórias antigas perderam o caminho das palavras. Apenas sombras de medos maternais, prenderam-se no engano de uma vida. Vida branca, que nunca fez sua.

Fernanda Elisabete Silva Gomes, 60 anos, Vila Franca de Xira

Desafio RS nº 33 – uma história de enganos

2 comentários:

  1. Talvez as histórias antigas estejam guardadas noutros caminhos, noutros repositórios.
    Nunca perca a esperança nas palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)
      Acho que a Fernanda tem as palavras a construir uma esperança.
      Um abraço

      Eliminar