02 maio 2016

A chave

Deixara a chave por dentro da porta. A minha namorada zangou-se. Chamámos um serralheiro.
Vieram duas pessoas, um velho de óculos escuros e uma jovem. Aproximaram-se da porta. O homem tropeçou.
– Avisa, sobrinha!
A mulher guiou a mão dele até a fechadura.
– Não olhem para cá! – disse o cego.
Vi um cartão. Abriram.
Paguei.
A minha namorada e eu rompemos. Culpa, ridículo. Impotência.
Agora sou um homem novo. Pletórico. A sobrinha abre-me cada dia todas as portas.


Ignacio Aparicio Pérez-Lucas, Salamanca

Sem comentários:

Enviar um comentário