13 dezembro 2016

Quem somos?

Desde que nasci tive um nome, uns sobrenomes, uma nacionalidade... Pode dizer-se que tinha uma identidade conhecida. Toda a vida, eu achei saber quem era, pois tinha a minha identidade que me definia. Mas há pessoas que não têm nada disso e, contudo, são tão pessoas quanto eu.  Já não conhecia quem era, só o que um papel dizia de mim. Então, para que servem essas coisas se, ao final, não sabemos quem somos realmente?
Luis Zambrano Cuesta, 19 anos, Salamanca, Espanha, prof Paula Pessanha Isidoro

Desafio Escritiva nº 14 – direitos da criança

Sem comentários:

Enviar um comentário