05 janeiro 2017

77x77 - Ana Telles

Haiku
Cameleira em flor
Desperta em mim um poeta
Ébrio de cor.

Fumo de incenso:

Caligrafia do acaso
Que se desvanece...

Pio longínquo...
Coruja da noite, que
Augúrios trazes?

As nuvens no céu
São desenhadas por mão
Prodigiosa.

Brilham estrelas;
Não as desencoraja
A escuridão.

Cada instante
É um fragmento virgem
De eternidade.

Ao adormecer,
O murmúrio vago
Da noite sem fim...

O aguaceiro
Vai e vem caprichoso:
Humor celeste...

Feliz aquele
Que se maravilha com
O dia-a-dia.

Sem comentários:

Enviar um comentário