08/12/12

A ti, governante



Sou um país pequenino, simpático, cheio de luz. Pacífico e paciente por natureza, neste momento trago o semblante carregado, enrugado de preocupação e ensombrado pelo medo, dúvida e insegurança.
A todos que me governam e governarão só peço que não me contagiem com a sua incompetência e mediocridade, que não me metralhem com decretos estapafúrdios nem apressados.
Lembrem-se que eu sou feito de gente.
Apontem-me o caminho certeiro, coerente, para não sentir vergonha de me chamar Portugal.

Ana Paula Oliveira, Santa Maria da Feira