19/04/13

ParqueParque


A sombra tem uma cor simples que levanta a crosta nas telhas e o musgo das pedras. Como o tom do pássaro que vejo, com imensa graça. Ora desgarra o pó das asas contra as costas do vento, como se fosse sempre Abril, ora demora nos ramos mais frágeis, crendo que o amor não tem tecto e as nuvens são recomeços. Sem perceber o que entoa, pergunto: grito, suspiro?
– Se queres perceber alegria, não a vês.

Helena Afonso Dias

Sem comentários:

Publicar um comentário