24/06/13

Tarde demais

Telefonei-te, naquele fim de tarde escuro. Vieste. Marcaste encontro numa rua sem saída, sem luz. Estranhei, mas só conseguia pensar na encomenda assustadora recebida. Queria a tua ajuda, de amigo, para resolver o problema. Ouviste serenamente. Aceitaste, sem julgar. Eu, vulnerável, com medo, senti as tuas palavras e os teus gestos: pagava, ingenuamente, fragilmente a solução. Abriste o caixote: "Afinal era só um ovo de Páscoa".
Arrependi-me! Tarde demais. Agarrei no ovo e atirei-o ao teu rosto.

Isabel Pinto, 43 anos, Setúbal



Sem comentários:

Publicar um comentário