27/02/15

Pecado

O pecado esbateu-se contra a mágoa. Sempre o pior e correto. A manhã sem o possuir. Estranho caminho!
A misera sensação, o passado estilhaçado com a memória, sem o precaver e convencer.
A meta surge: o passo eloquente com a música serena. O pecador emaranhado, caído alucinado. Mas, sem o perdão e com a marca sagrada… O pano esvoaçou, combateu a mágoa sem o penetrar e com a missão sensata o pecado esmoreceu com a morte sua.

Ana Sofia Cruz, 17 anos, Porto

Desafio nº 82 – letras impostas por ordem O P E C A M S

Sem comentários:

Publicar um comentário