10/05/15

Tarde demais

O receio era natural, sabias qual iria ser a minha reacção. Acredita que, ao ouvir o toque dos
teus dedos na vidraça, o desejo de abrir a janela foi enorme. Mas não, não posso ceder de novo, 
são já incontáveis as vezes que o fiz. Com os olhos molhados e ao ouvir os teus passos ao longe, corri para ver se ainda vislumbrava, ao menos, o teu vulto ao longe. Tarde demais... mas a saudade fica comigo.

Maria Cabral, Azeitão
Desafio RS nº 25 – dedos que batem no vidro (cena)


Sem comentários:

Publicar um comentário