29/10/15

Dia atroz!

Faltavam quatrocentos metros para chegar à casa de Patrocínia, ainda tinha que percorrer aquela estrada larga, toda alcatroada de novo... Olhava para o relógio, não queria chegar atrasada ao Albatroz. Mesmo já tendo os bilhetes do Teatro, é preciso chegar a tempo e horas! Não gostava de ser um atropeloAtrofiava quando alguém se atrasava. Parecia a patroa. Quase a chegar, assiste a um atropelamento. Fica estupefacta com o acontecimento. Suas pernas trémulas caminhavam lentamente… dia atroz. 

Prazeres Sousa, 52 anos, Lisboa

Desafio nº 99 – 8 a 10 palavras com ATRO

Sem comentários:

Publicar um comentário