25/02/18

Constantino Mendes Alves ― desafio 135


Em Alvito, cito, “era como em qualquer lugar, sitio de viver e de morrer". Não havia qualquer rito que alterasse esta certeza. Contudo, a pouca gente, o pouco dito, o pouco detrito, a sua singeleza, fazia a minha existência quase celestial, e não se trata do que acredito, mas de um “tempo” sem qualquer fito, como se a vida se abrisse plana. Em Roma, obcecada de automóveis, de rostos e de palavras sobra-me uma, saudade, dum infinito.
Constantino Mendes Alves, 59 anos, Leiria
Desafio nº 135 – 7 palavras com ITO