30 abril 2018

Diário 77 ― 36 ― Então, ‘mor?

Parou ao meu lado. Estúpido, estava a provocar-me! Não lhe disse nada. Pôs-se a suspirar. Encolhi os ombros, desprendida, mas ele não desistia. Voltou a suspirar. Não aguentei mais, dei-lhe um violento estalo. O estúpido pareceu surpreendido.
― Então, estás zangada, ‘mor?
Outro estalo, desta vez bem mais forte.
― Adoro quando me bates…
Que nervos, pá. O estúpido ainda goza! Ri-te, ri-te, já vais ver.
Virei-me, furiosa. Deu-me um beijo. Fiquei sem palavras… Entreguei-me, que mais poderia fazer?
Margarida Fonseca Santos


Sem comentários:

Enviar um comentário