28 julho 2018

Paula Castanheira ― escritiva 34


Amélia acabava a sua corrida matinal.
Dirigia-se ao areal, quando reparou numa multidão ruidosa e agitada.
Seria o barquinho do sr. Mário, com sardinha acabada de pescar? Aproximou-se, por entre muitos encontrões.
Um cachalote jazia, inerte no areal.
― Foram pescadores que o mataram – disseram-lhe.
Dias mais tarde, leu a notícia:
Cetáceo que deu à Costa, foi morto por acumulação letal de microplásticos no estômago.
Não conteve as lágrimas. Assassinos somos todos nós!
Tinha de fazer algo… já!
Paula Castanheira, Massamá 54 anos
Escritiva nº 34 - policial

Sem comentários:

Enviar um comentário