27/01/19

Jaime A. ― sem desafio


Um dia igual aos outros. Sentou-se na cama, acariciou a correspondência antes de a abrir com um cuidado protocolarmente religioso. Olhou para o relógio: 20h 56; faltavam 4 minutos. Pôs-se a admirar o papel de que eram
feitos os envelopes; 20h 58 as suas mãos suspiravam, trémulas. Às 20h 59 foi buscar um abre-cartas malicioso. 
Reverencialmente, às 21h, penetrou a primeira carta. Não lhe era destinada e nem isso lhe interessava, apenas resolver os problemas dos outros.
Jaime A., 54 anos, Lisboa 

Sem comentários:

Publicar um comentário